Internet das Coisas Já É Realidade

Compreensão do que acontece com os equipamentos permite criar novas soluções.

Formado em Engenharia Industrial Elétrica e em Administração de Empresas, com MBA em Gestão Estratégica de Negócios, Daniel Moraes está na Embraco desde 2006. É gerente sênior de Novos Negócios da empresa, trabalhando atualmente com foco no crescimento da organização através do posicionamento em IoT (Internet das Coisas). 

A Internet das coisas já é uma realidade?

O aumento da infraestrutura de conectividade, a computação em nuvem e a diminuição dos custos de componentes eletrônicos permitem que, hoje, os objetos ao nosso redor possam ser conectados e, portanto, sejam inteligentes. Essa é a base da Internet das Coisas (IoT, sigla do termo em inglês Internet of Things), que vem sendo anunciada como uma nova revolução.

As condições técnicas já existem, porém ainda não dá para perceber aplicações em larga escala.

O que falta então?

A resposta está mais em criar modelos com geração de valor do que nos desafios técnicos. É necessário descobrir os problemas que ainda não foram resolvidos e que realmente trazem impacto positivo para clientes e sociedade e, a partir disso, construir a solução para esses problemas.

Para revolucionar os seus negócios, ao invés de Internet das Coisas, deve-se pensar em Internet das Soluções.

Isso vale para qualquer empresa?

Todos concordam que hoje não é possível viver sem os celulares. Vejo a Internet das Coisas com o mesmo efeito nas empresas.

Não importa qual é o seu ramo de atividade: com toda a certeza, de forma mais direta ou não, em algum momento dos próximos anos a sua atuação será mais digital. Todos os setores serão impactados com ondas de novas tecnologias e oportunidades (para quem estiver antenado) ou desafios.

Como está a situação em relação à IoT no Brasil?

Ainda há pouco de concreto no mercado brasileiro, em termos de uso da IoT. Existem muitas ações relacionadas a serviços de infraestrutura e projetos de grandes empresas em fase de maturação. Mas, quando comparamos com a Europa e América do Norte, a percepção é de que o tema é mais explorado por lá.

Qual é a causa dessa demora?

O principal motivo é a falta de visão sobre o tema e sobre a conversão do modelo “não digital” para o “digital” que as empresas precisarão fazer para se manterem competitivas e alinhadas com o cenário mundial.

As empresas ainda estão em uma fase de entendimento de como a IoT pode impactar seus negócios e principalmente suas competências.

Como avançar nesse processo?

Considero que a melhor direção neste momento é partir das necessidades de seus clientes, criar conceitos a serem avaliados, desenvolver protótipos simples e rápidos e aprender com projetos piloto. Estes passos ajudam muito no entendimento das possibilidades que IoT apresenta para os modelos de negócios e soluções.

Como usar a IoT na prática?

Uma empresa digital utiliza as várias ferramentas disponíveis para transformar seu negócio, abrir novas oportunidades, ampliar seu portfólio de produtos e serviços, ganhar eficiência na sua operação. Mais importante ainda é aprender a trabalhar com dados e entender como eles podem contribuir para a tomada de decisão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *